sexta-feira, 6 de maio de 2016

Resenha: Cinder

Título Original: Cinder
Autor: Marissa Meyer
Ano de Publicação: 2012
Editora: Feiwel & Friends
Páginas: 448p.
Ano de Edição: 2012
ISBN: 9781466800113
Idioma Original: Inglês
Título em português: Cinder




Sinopse:
Num mundo dividido entre humanos e ciborgues, Cinder é uma cidadã de segunda classe. Com um passado misterioso, esta princesa criada como gata borralheira vive humilhada pela sua madrasta e é considerada culpada pela doença de sua meia-irmã. Mas quando seu caminho se cruza com o do charmoso príncipe Kai, ela acaba se vendo no meio de uma batalha intergaláctica, e de um romance proibido, neste misto de conto de fadas com ficção distópica.


Quero começar essa resenha dizendo que Cinder me surpreendeu muito, foi além do que esperava para este livro. A história me ganhou quando misturou o conto de fadas Cinderela com ciborgues, ficção cientifica, tempos futurísticos e distopia.

Cinder faz parte da série The Lunar Chronicles (Crônicas Lunares), uma série composta de quatro livros que faz uma releitura dos contos de fadas, cada livro aborda um conto. Em Cinder temos a releitura de Cinderela, Scarlet temos a história da Chapeuzinho Vermelho, Cress nos é recontada o conto Rapunzel e o último livro Winter fecha a série com a Branca de Neve. Isso é o que sei dos outros três livros, tento ficar longe de spoilers.

Como eu disse é a reformulação de Cinderela, então, Cinder é uma adolescente que vive com a madrasta má e suas duas irmãs. Mas Cinder não é uma menina qualquer, ela é um ciborgue, com uma perna e braço robótico e uma interface computacional no cérebro dela. Apesar do cérebro dela ser um computador, ela tem sentimentos humanos (apesar de não chorar).


Nesse mundo em que a Cinder vive temos quatro tipos de pessoas: os humanos, os ciborgues (humanos com partes robóticas), os androides (robôs) e os lunares (humanos que colonizaram a lua muito tempo atrás e devido às propriedades da lua adquiriram dons e características que os diferenciam dos humanos). Pouco se sabe sobre os lunares, e aos poucos vamos conhecendo um pouco mais conforme a história vai se desenrolando.

A quarta guerra mundial aconteceu há 126 anos, matando milhares de pessoas e quase destruindo as sociedades aqui na Terra, assim os governos acabaram com os países e organizaram as terras em regiões comandada por um ministro, rei, presidente ou imperador de acordo com a região.  Cinder, a madrasta e as irmãs vivem em New Beijing (Nova Pequim), que faz parte do Eastern Commonwealth (que seria Comunidade Oriental) comandada pelo Imperador Rikan e o Príncipe Kaito (Kai).  O que aparentemente está dando certo. Apesar das constantes ameaças da Rainha Levana, a rainha da lua em declarar guerra a Terra.

Mas infelizmente uma doença está assolando a Terra, a Letumosis surgiu algum tempo atrás e se difundiu pelo planeta todo, está matando os humanos e ciborgues. Não se sabe muita coisa sobre essa praga, somente quem contraria a doença passa pelos estágios rapidamente e morre em pouco tempo.

Como podem ver a história da cinderela é contada mais temos outras tramas em paralelo. Marissa Meyer recontou o conto mas acrescentou outros fatores, e são esses acréscimos, todos muito bem amarrados na trama principal, que fazem a história ser intrigante, envolvente e misteriosa.

O livro é narrado em terceira pessoa e todos os personagens são bem construídos, Cinder foi a primeira protagonista de uma distopia juvenil que eu gostei 100%, ela não é nem um pouco irritante, idiota e burra. Ela é inteligente, sabe o que quer. O Príncipe Kai é o príncipe encantado, mesmo sendo caracterizado como o homem perfeito, dos sonhos, ele não é monótono e chato, ele tem personalidade. A rainha Levana é má e a madrasta também é má. Todos os personagens estão bem definidos, ou você gosta ou você os odeia. Não posso deixar de falar na melhor personagem, eu adorei a Iko, uma androide da madrasta da Cinder, que ajuda nas tarefas de casa e na oficina mecânica, ela veio com um chip defeituoso fazendo com que ela tenha opiniões próprias e não tenha noção do que fala, as cenas mais cômicas são por conta da Iko.

Iko craned her head, aiming the round sensor up at the prince, who towered more than three feet above her. The light flared as her scanner recognized him. "Price Kai," she said, her metallic voice squeaking. "You are even more handsome in person."

Iko rolled to her side, clasping her metal grippers over her chest. "Prince Kai!" Check my fan, I think I'm overheating."

Quanto ao segredo que muitas pessoas falam que descobriram no inicio do livro infelizmente ele é muito obvio e logo que ele é mencionado já descobrimos, mas a autora só revela nas últimas páginas. O que dá a impressão de enrolação, mas eu comecei a ver o mistério de outra forma. Eu sei como termina o conto da cinderela (todo mundo sabe), ela vai ao baile, dança com príncipe, foge e perde o sapatinho. Mesmo sabendo disso queria ver como ia acontecer o desenrolar dessa história em Cinder. Acabei levando isso como o tal mistério que foi descoberto nas páginas iniciais, já sabia o segredo por trás da vida da Cinder e mesmo assim isso me prendeu na história, queria saber como isso tudo seria revelado e qual a reação das pessoas. Por isso, não fiquei decepcionada quando o segredo foi revelado.

Para um livro introdutório ele é muito bem construído e o final totalmente aberto só deixa com mais vontade de continuar a série. Tenho grandes expectativas dessa série, espero não me decepcionar com os livros seguintes.

Se você gosta de releitura, contos de fadas, distopia e futurismo, te recomendo este livro.

Este livro foi lido para o Desafio Alfabeto Literário, autor com inicial M. #desafioalfabetoliterário




3 comentários:

  1. Olá! =)
    Já me falaram muito bem sobre esse livro, mas nunca me propus a ler sobre ele algo mais. Que narrativa diferente? Trazer os contos de fadas assim, misturando com essa coisa de "ciborgues" - eu realmente não sabia o que é isso - parece muito bom.

    Quero ter a oportunidade de ler.
    Bjão.

    Diego, Blog Vida & Letras
    www.blogvidaeletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi, Lisa
    Sempre vi esse livro mas nunca dei bola para ele, não sei porque acho que eu tinha ideia que seria só mais um steampunk, mas não é nada disso né?
    Adorei vou colocar na lista.
    Obrigada por participar do Desafio Alfabeto Literário
    bjs
    Luana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lê sim, Cinder foi uma das melhores distopias (YA) que li.

      Excluir